ESTRESSE – PARTE 1: COMO DEFINIR?

Pare para pensar: somente no dia de hoje, por quantas situações estressantes você já passou? Você certamente tenderá a lembrar daqueles momentos em que ficou nervoso ou furioso mediante algum evento que não ocorreu como esperado. Sim, de fato, isso é um tipo de estresse, porém, como vamos ver, o conceito de estresse é bem mais amplo que este.

Definir “estresse” é um assunto que causa polêmica entre pesquisadores de diversas áreas do conhecimento. Isso ocorre porque este é um tema de interesse comum para biólogos, biomédicos, psicólogos, médicos, professores, cientistas sociais, antropólogos, dentre outras especialidades. Assim, existem aqueles que pensam no estresse como oriundo de um trauma físico,  outros avaliam estresse como um estado biológico invariavelmente associado a doenças, enquanto terceiros já vão pensar nele como resposta a uma ameaça real ou potencial.  Um pouco complexo, não é?! Pois então, neste artigo, definiremos como estresse todo estímulo, interno ou externo, que leve um organismo a exibir algum tipo de reação.

Acordar pode ser um stress.

Assim, acordar é um estresse. Acordar é uma reação frente às demandas do nosso sistema nervoso, e também frente à determinadas informações do ambiente, como aumento da luz, barulho, etc. Sentir medo de alguma coisa também é estressante. Precisar buscar um (a) parceiro (a) reprodutivo (a) também gera estresse. Sentir fome também é um estresse. Caçar, para saciar a fome, também é estressante.

Bem, aqui duas informações sobre o estresse são importantes: se estressar não é apenas uma reação humana. De maneira geral, muitos e muitos grupos animais (e também outros seres vivos) são capazes de exibir respostas frente ás suas demandas internas ou externas, assim sendo, também sentem estresse. Além disso, é preciso entender que, não necessariamente, estresse está associado a emoções negativas (medo, raiva, ódio, tristeza). Um sapinho macho, quando vai para o brejo cantar, está procurando uma parceira sexual. Ele está pronto para se acasalar. Isso não causa nele emoções negativas (mais adiante, discutiremos sobre expressão de emoções em animais), porém, estar tomado por hormônios, e ter uma necessidade fortíssima de encontrar uma parceira sexual, o causa estresse.

Uma vez que percebemos um estímulo como sendo um estressor, nosso organismo começa a organizar respostas a ele, de modo a cessar aquele “incômodo”. Nossos neurotramissores e também nossos hormônios desempenharão papel fundamental neste momento. Nossos órgãos vão perceber tudo isso e começarão, em conjunto, a responder  àquele estressor, de modo a garantir o bom funcionamento de nosso organismo, nossa integridade física, e, em suma, nossa sobrevivência. Porém, caso o estímulo estressor não cesse, ou ainda, caso novos estresses nos atingirem, demandando de novas respostas de nosso organismo, poderemos adoecer, e isso, claro, nenhum de nós queremos.

Nos próximos artigos de nossa coluna sobre psicobiologia, iremos abordar com maiores detalhes como ocorre a resposta de nosso corpo frente ao estresse. Desde já, é importante entender que, para o nosso bem estar e para nossa saúde, é importante fugir de vivenciar estresses repetitivos, mesmo que isso seja muito difícil em nosso dia-a-dia. Assim, leia bons textos, ouça boas músicas, se divirta, faça atividades físicas, cuide de si, pois ninguém, além de você, pode garantir sua saúde e sua felicidade!

* Obs,: Se você quer saber mais, recomendo a leitura do artigo que embasou esta publicação:  A polêmica em torno do conceito de estresse. Você pode acessá-lo através do site: //www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931999000300005.

Romes Sousa

Romes Sousa

Romes é Acupunturista e acadêmico de Biologia pela Universidade Federal de Goiás. Realiza pesquisas em psicobiologia do desenvolvimento humano e sua relação com patologias cardiovasculares. É vinculado ao Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Goiás.

Contato: romesbittencourtsousa@gmail.com.

Anterior Conhecendo em detalhes as Aventuras da Reserva Vagafogo em Pirenópolis - GO
Próximo O delicioso Brunch da Reserva Vagafogo em Pirenópolis - GO

2 Comentários

  1. Adorei o post muito bom!

  2. CARLA ALVES
    28/01/2018
    Responder

    Amei o post muito bem explicado😊
    Há um tempo atrás andei bem estressada, meu estresse estava tão forte que eu sentia até dor de cabeça…Então resolvi ler mais, vêr filmes e fica um tempo sozinha só eu e Deus!!!
    E hoje estou bem melhor😀

  3. Vívia
    31/01/2018
    Responder
    (Seu comentário está aguardando aprovação.)

    Post muito interessante e rico em informações!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *