Estudo mostra o tamanho da amazônia que é desprotegida.


O Site do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) divulgou um estudo sobre as áreas desprotegidas da Amazônia, trata-se de uma área muito grande e muito vulnerável.

A matéria se refere a um estudo realizado por dois pesquisadores (Claudia Azevedo-Ramos, do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos – UFPA, e Paulo Moutinho, do IPAM) que será publicado na revista “Land Use Policy”, já disponível na versão on-line www.sciencedirect.com/journal/land-use-policy.

Segundo o estudo realizado “uma área maior do que toda a região Sul do Brasil – 70 milhões de hectares – coberta por florestas está hoje à mercê de grileiros e desmatadores ilegais na Amazônia“. Além da importância para a preservação de inúmeras espécies, da diversidade local e de inúmeros outros fatores, toda esta área estoca, segundo o estudo cerca de 25 bilhões de toneladas de gás carbônico (CO2), ou seja, ela está armazenando o equivalente a toda a produção de carbono do Brasil por 14 anos!

Segundo informações do próprio site do IPAM:  “As florestas públicas não destinadas na Amazônia hoje atuam como um grande sistema de irrigação e um verdadeiro ar-condicionado gigante, dos quais dependem a produção agrícola da região”, diz Moutinho. “Deixar essa área à mercê do desmatamento pode colocar em risco a pujança futura do agronegócio e a ambição brasileira de tornar o país o ‘celeiro do mundo.”

As florestas públicas não destinadas na Amazônia hoje atuam como um grande sistema de irrigação e um verdadeiro ar-condicionado gigante, dos quais dependem a produção agrícola da região (Paulo Moutinho – IPAM)

Destinação das áreas na Amazônia. Claudia Azevedo-Ramos, (Naea/UFPA), e Paulo Moutinho, do IPAM

Para proteger toda esta área os pesquisadores sugerem tornar essas florestas públicas, federais e estaduais, em áreas protegidas, pois atualmente elas não possuem nenhuma destinação. Os pesquisadores alertam que 25% do desmatamento registrado na Amazônia entre 2010 e 2015 aconteceu dentro dessas áreas públicas desprotegidas.

Ainda segundo o site do IPAM, os pesquisadores afirmam que o importante seria associar a proteção às atividades sustentáveis, para fomentar a economia local. “Estimular uma economia de base florestal, por exemplo, é essencial para garantir a conservação de largas extensões de florestas na Amazônia”, diz a pesquisadora. “Uma área protegida de uso sustentável, por exemplo, tem a vantagem de incluir pessoas, fomentar o uso econômico e ser melhor aceita pelos estados, pelos municípios e pela sociedade do entorno. Portanto, possui maior probabilidade de ser criada em curto prazo e de apresentar benefícios locais.”

Estimular uma economia de base florestal, por exemplo, é essencial para garantir a conservação de largas extensões de florestas na Amazônia

Sobre o IPAM:

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) é uma organização científica, não governamental, apartidária e sem fins lucrativos que desde 1995 trabalha pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Você pode encontrr o artigo aqui: “Land Use Policy” (www.sciencedirect.com/journal/land-use-policy).

Matéria original do site do IPAM: //ipam.org.br/area-maior-do-que-a-regiao-sul-esta-a-merce-do-desmatamento-ilegal-na-amazonia/

Clica aí !

CLICANDO EM QUALQUER ANÚNCIO DESTE SITE VOCÊ JÁ ESTÁ NOS AJUDANDO A LHE MANTER BEM INFORMADO E PRESERVAR O MEIO AMBIENTE!
Anterior 8º Fórum Mundial da Água será realizado em Brasília-DF
Próximo Aumentou o número de visitantes nos parques nacionais em 2017

1 Comentário

  1. Brunella Vettorato
    06/04/2018
    Responder

    Nossaaaa seu blog é mara demais ♥ vc fala de uma forma clara e bem objetiva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *