Aluna de instituto federal desenvolve plástico biodegradável a partir do maracujá


A partir da casca do maracujá, a estudante Juliana Davoglio Estradioto, desenvolveu um material reciclável para substituir embalagens de mudas de plantas. Juliana é uma estudante do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS), atualmente com 18 anos, cursa o último ano e dedicou o curso a estudar ciência e direcionou o seu trabalho à agricultura, principal atividade da sua família.

Observando a agroindústria de sua região, a estudante observou que os saquinhos plásticos que envolvem as mudas de plantas, são descartados e causam estragos à natureza.  Utilizando a casca da fruta, ela desenvolveu um filme plástico que, além de não agredir o meio ambiente, não danifica a raiz das mudas, diferentemente do que ocorre com o plástico convencional. Biodegradável, o plástico se decompõe em 20 dias, não precisando ser retirado no momento do plantio.

Ainda em caráter experimental, a pesquisa de Juliana já ganhou destaque no Prêmio Jovem Cientista, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ela conquistou o primeiro lugar na categoria ensino médio, o que a motiva a seguir com os estudos e a apostar na produção do filme plástico em larga escala no futuro. Sua meta é fazer o curso de engenharia química.

 “Os alunos do ensino médio deveriam ser cada vez mais incentivados, porque a minha vida mudou tanto depois de fazer pesquisa e hoje eu tenho certeza de que a educação e a ciência são as coisas que mais transformam o mundo”, resume. “A gente tem que cada vez mais oportunizar que outros jovens tenham esse tipo de vivência”.

 

Fonte: //portal.mec.gov.br/component/content/article?id=71761:aluna-do-ifrs-desenvolve-filme-plastico-biodegradavel-a-partir-do-maracuja

Clica aí !

CLICANDO EM QUALQUER ANÚNCIO DESTE SITE VOCÊ JÁ ESTÁ NOS AJUDANDO A LHE MANTER BEM INFORMADO E PRESERVAR O MEIO AMBIENTE!
Anterior Desmatamento do Cerrado pode levar à extinção de milhares de plantas
Próximo Você sabe qual o tipo de lixo mais abundante nos oceanos?

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *